Noite Estrelada • Vincent van Gogh • 29 de Julho • 132 Anos do Falecimento

“Quanto mais se ama, mais ativo será.”

Je mehr man liebt, um so tätiger wird man sein.”

— Van Gogh, em carta para Anthon G.A. Ritter van Rappard, Mai 1883

Van Gogh

Vincent Willem van Gogh

(Zundert, 30 de março de 1853Auvers-sur-Oise, 29 de julho de 1890)

Pintor pós-impressionista neerlandês

Considerado uma das figuras mais famosas e influentes da história da arte ocidental, criou mais de dois mil trabalhos ao longo de pouco mais de uma década, incluindo 860 pinturas a óleo, grande parte das quais, concluídas nos seus últimos dois anos de vida.

As suas obras incluem paisagens, natureza-morta, retratos e autorretratos, caracterizados por cores dramáticas e vibrantes, além de pinceladas impulsivas e expressivas, que contribuíram para as fundações da arte moderna e trouxeram distinção para o estilo do pintor.

Nascido numa família de classe média alta, Van Gogh começou a desenhar ainda criança, sendo descrito como uma pessoa séria, quieta e pensativa.

Trabalhou como vendedor de arte quando jovem e viajava frequentemente. Porém, entrou em depressão depois de ser transferido para Londres.

Eventualmente, Van Gogh acabou por se voltar para a religião, tendo passado algum tempo como missionário protestante na Bélgica.

Ao longo dos anos enfrentou problemas de saúde e solidão, até começar a pintar em 1881, tendo-se mudado para casa dos seus pais.

O seu irmão mais novo, Theo, apoiou-o financeiramente e os dois mantiveram uma duradoura e prolífica correspondência ao longo da vida de ambos.

Os seus primeiros trabalhos exploravam o tema da natureza-morta e retratos da vida no campo.

Em 1886, Van Gogh mudou-se para Paris onde se encontrou com vanguardistas como Émile Bernard e Paul Gauguin, que se opunham à sensibilidade impressionista.

Lá, à medida que produzia suas obras, criou uma nova abordagem às naturezas-mortas e às paisagens, com suas pinturas a assumir cores mais vivas enquanto desenvolvia um estilo que se estabeleceu por completo em 1888, durante a sua estadia em Arles.

Durante esse período, o pintor também ampliou seus temas que passaram a incluir oliveiras, ciprestes, campos de trigo e girassóis.

Campo de Trigo com Corvos

Durante a sua vida, Vincent teve episódios psicóticos e delírios, temendo pela sua estabilidade mental e negligenciando frequentemente a sua saúde física, por um lado, ao não manter uma alimentação regular e, por outro lado, bebendo muito.

Sua amizade com Gauguin terminou numa briga que culminou com um ataque de fúria de Van Gogh, durante o qual, cortou parte de sua própria orelha esquerda com uma lâmina.

Acabou por passar algum tempo internado em vários hospitais psiquiátricos, incluindo o período passado no Saint-Rémy-de-Provence.

Depois de ter recebido alta, ficou sob os cuidados do médico homeopata Paul Gachet, mudando-se para o vilarejo de Auvers-sur- Oise.

Não tendo obtido sucesso nem reconhecimento durante sua vida, Van Gogh era encarado como um louco e um fracassado, conquistando alguma fama apenas após seu suicídio.

O agravamento do seu estado de depressão, levou o pintor a disparar um revólver contra o seu próprio peito no dia 27 de julho de 1890, vindo a falecer na sequência dos ferimentos causados apenas dois dias depois.

Com o passar do tempo, Van Gogh passou a existir na imaginação pública como a essência do génio incompreendido, o artista no qual “os discursos sobre loucura e criatividade convergem”.[1]

A sua reputação começou a crescer no início do século XX, enquanto elementos de seu estilo de pintura passaram a ser incorporados pelos fauvistas e expressionistas alemães.

Van Gogh alcançou grande sucesso comercial, popular e de crítica nas décadas seguintes, sendo lembrado atualmente como um pintor importante e trágico, cuja personalidade problemática tipifica os ideais românticos do artista torturado.

“Meu coração é como o mar; Tem tempestade, vazante e inundação; Você também encontra pérolas profundamente; Só no fundo da minha mente.”

Mein Herz ist wie das Meer; Hat Sturm und Ebb und Fluth; Auch Perlen findest du tief; Nur tief in mein Gemuth.”

— Van Gogh, como citado in Vincent van Gogh in zijn Antwerpsche periode – Página 44, Marc Edo Tralbaut – A.J.G. Strengholt, 1948 – 368 páginas


CITAÇÃO do DIA

DETALHES DO CARTÃO DA CITAÇÃO DE HOJE

— FOTO de Vincent van Gogh em janeiro de 1886 (fotografia colorizada a partir de original em preto e branco)

— AO FUNDO, Obra ‘Noite Estrelada’, 1889 — Óleo sobre a tela — Museu de Arte Moderna de Nova YorK

FONTES

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s